Workshop “Fruta, o parente pobre”

A fruta é uma das fontes principais de nutrientes indispensáveis à nossa saúde, evidenciando propriedades e benefícios diferentes consoante a cor que apresentam. Comer fruta devia ser um hábito de todas as refeições, mas explorar a sua variedade de cores também.

Segundo a roda dos alimentos, o consumo de fruta deve rondar as 3 a 5 peças por dia. Contudo, esse aporte deve adequar-se sempre às necessidades de cada indivíduo, consoante o seu estado nutricional.

As frutas são excelentes fontes de vitaminas, minerais, fibra e água. E algumas destacam-se pela maior quantidade de água – a melancia, o melão, os morangos e os citrinos. Para se ter uma ideia, também podemos referir que 1 porção de fruta, que se pode padronizar em 160g, possui 14g de hidratos de carbono.

O reino das frutas tem uma enorme variedade de cores, às quais podemos atribuir características nutricionais e funções fisiológicas diferentes. Assim, temos fruta verde, laranja, vermelha, branca e roxa:

FRUTAS DE COR VERDE – maçã, kiwi, abacate – Ricas em Vitaminas A, C e E. Combatem o envelhecimento das células, reduzem o risco de cancro, melhoram a circulação do sangue.

FRUTAS DE COR LARANJA – nêspera, laranja, dióspiro – Ricas em vitamina C e betacarotenos. Reduzem infecções, problemas de visão, doenças cardiovasculares e cancro.

FRUTAS DE COR VERMELHA – morango, melancia, uva – Ricas em licopeno (antioxidante), vitaminas A e C. Reforçam a defesa do organismo, possuem potássio que favorece a memória,  reduzem o risco de infecções, previnem o cancro e doenças cardiovasculares.

FRUTAS DE COR BRANCA – melão, banana, pêra – Ricas em polifenóis (antioxidantes). Reduzem o colesterol e a pressão arterial, bem como o cancro e as doenças cardiovasculares.

FRUTAS DE COR ROXA – ameixa, cereja, mirtilo – Ricas em bioflavonóides. Combatem o envelhecimento, reduzem o risco de cancro, problemas de visão e de memória, e as doenças cardiovasculares.

A fruta deve ser consumida com casca sempre que possível, e de preferência à dentada em vez de triturada em forma de sumo ou batido. O início da digestão de qualquer alimento começa na mastigação e a fruta não é exceção. Na boca, possuímos uma enzima designada de amílase salivar que envolve a frutose, ou açúcar da fruta, para que juntamente com a fibra presente na casca não permita que os níveis de glicemia se elevem. Mas as frutas quando são trituradas ficam com um índice glicémico mais elevado e o seu teor de fibra acaba por perder a função.

No caso de pretendermos fazer um batido de fruta devemos sempre utilizar a casca. O mesmo acontece quando queremos cozer fruta para confecionar uma papa de fruta. Para além de aproveitarmos os nutrientes presentes na casca, estamos a ajudar a combater o desperdício alimentar.

É preciso ainda referir que, de todas as frutas, as da época possuem características nutricionais superiores que as tornam uma escolha muito melhor para a nossa saúde.

Deixe uma resposta